terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Um tapinha não dói



Nada tem a ver com nada. O título, a foto, a viagem... (ou não)


Música sempre foi a minha tara. Cena mais remota da relação eu e ela? Estou na sala do ap, no chão, deitado diante de uma vitrolinha phillips, dessas portáteis, na cor azul piscina que eu adorava mergulhar... Ainda mono (monaural). Tanto que, em se removendo a tampa - oh que moderna praticidade -, tíinha-se já a mão uma caixa de som! Nela fechada não cabiam discos long play. No máximo, compactos simples. Os LPs que mais gostava de ouvir na paz, eram Sergio Mendes & Brasil 66 - aquele dos guarda-chuvas coloridos "Look Around" - e a trilha de "Um homem uma mulher", Francis Lai. Pois é, mesmo o francês era carioca bossa-nova da gema. Então já tinha, de alguma forma o jazz na preferência. Depois veio o Jimi (Hendrix) que já me chegou morto (1971), Led Zeppelin, Deep Purple, Grand Funk Railroad e aí eu me perdi do gênero híbrido da iniciação, só mantendo a simpatia pela batida diferente. Lembro-me também de uma fita cassete (minhas amiguinhas de 17 estão perdidinhas...) dos Tijuana Brazz, do meu pai, que eu simplesmente adorava! E tocava meu saxofone imaginário, trompete e trombone idem, amarradão. Dos metais em brasa eu era a orquestra! Num dado momento, num daqueles dias em que dava meu showzinho virtual às escondidas no quarto, o Pelé - não o Edson, o Pelé das criancinha -, lá na sala, preparava-se pra bater o pênalti, contra o Vasco do Andrada. Seria o definitivo mil. Só aí descansei meu sax sobre a cama pra presenciar o momento histórico.


Com algo ali na portinha do Jazz, são as cenas de que me lembro. Depois disso vieram as guitarras e os sintetizadores do Emerson(Lake & Palmer), a reboque veio até uma sitar de um tal de Shankar. Aí phodeu, né? Minha educação musical, a cuca e a memória, porque pintou um cigarrinho no bojo, bicho, que era baseado em algo que não me lembro bem mas dizia-se que abria as portas da percepção. Bem, veio o Huxley... Admirável mundo novo! Nesse momento já, portas e janelas da percepção escancaradas, me apareceu o 1º acidinho(a gente nunca esquece). Foi a mãe de um amigo que pôs na minha língua o primerão. Esta cena, impossível de esquecer, fala sério. Até porque, a mãe do amigo era namorada do Ronald. E o Ronald era big brother. Não. Não era o do Big Mac, muito menos aquele palhaço do MacDonalds, era o Biggs em pessoa, bro! O do trem pagador! Sem sacanagem, tô mentindo não. A mãe desse amigo não sabe mas, agora recordando, ela me educou para a vida... Tudo bem, marginal. Mas àquela época, graças ao bom Deus, o ainda da foto uma postagem mais abaixo, era uma marginalidade vital para uma boa formação para um muleque de 14 anos. Porque dali veio Kafka e veio Castaneda já com mais d"A erva do diabo"... De modus que me veio um monte de gente boa de se ler e ouvir no movimento.. Porque estou dizendo tudo isso, sei lá. Talvez pra deixar aqui um testemunho clichê, que seja, de que tudo vale a pena, quando tua alma não é pequena. As sequelas são a quase memória, quase Cony. Normal. Imagina, gente...

Postagem de álbum – músico de jazz - importante que me fez divagar sobre todas essas coisas vem logo acima...


Em tempo: Notícia triste no finalzinho do ano. Morreu Freddie Hubbard, genial trompetista de jazz, aos 70 anos em Sherman Oaks, California, em função de complicações após um infarto em 26 de novembro. Cara, é como disse nos comentários do Jazzseen: Infarto, morte breve, morte breve, boa morte. A obra fica. E o dia, como todos os dias, pode ser um belo dia pra se morrer em paz. Até porque, vide O Globo (30 de dezembro, terça feira): "ISRAEL DECLARA GUERRA TOTAL"... Ah, amiguinhos, tô de saco cheio e estufado dessa porra.


11 comentários:

  1. Ah porra Serjão, meu ídolo d infância, o Biggs, hahahah

    Tah, e eu tb tô cansada dessa porra.


    (Tô q nem outro dia aih em q fiquei mt bêbada e soh falava porra, segundo uma amiga. Aih ela disse q me disse: "Tah c a porra na boca, menina?" E eu:"E o caralho tb!" huahuahuah...)


    Bisous querido

    ResponderExcluir
  2. Teu de infância e o meu da adolescência, Gabi. Ele contava altas histórias. Mauito orgulhoso, do bom bandido gente boa que era... Depois fundou aqui no Rio uma casa q no mínimo vc deve ter ouvido falar, já q curte Biggs: o Crepúsculo de Cubatão... Mas aí eu já tinha crescido o suficiente pra no mínimo pagar a entrada.

    É meio chato, palavrão no blog, mas .......... vá si fudê, né?RS! Virar o ano com uma guerra séria dessas é muito foda.

    ResponderExcluir
  3. Vamos fugir baby desse lugar, vamos fugirrrrrrr. !
    A vitrolinha minha era vermelha e eu ouvia o disco da branca de neve, tres disquinhos coloridos 1 verde , um vermelho e um amarelinho.

    Ai ai ai Vamos figir, desse lugar baby onde haja um tobogã

    ResponderExcluir
  4. Quaaaaaaaaaaaaah!!!

    Que coleção, hein?! Sensacional, Quieta! Tá vendo como eu tenho bom gosto na seleção de minhas musinhas?

    ResponderExcluir
  5. cara, tirando o lance do Ronald eu podia ter escrito esse texto de cabo a rabo, incluindo o porra, os discos e livros, e tudo o que vc falou sobre a guerra infame que os caras resolveram esquentar assim, digamos, na semana da 'confraternização universal'... muito foda!

    ResponderExcluir
  6. ops! correção: podia ter escrito pelas coincidências musicais, baseadais e literárias... não pelo texto em si, que tá ótimo!
    Mas cê já tinha entendido né? rsrs
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Ô, minha Maya amada... Pavitra viajô, a Jo se escondeu, ma Jéssica (17) escapuliu, la Bruna Bo (tbm,17) ainda resiste em me adotar, Gabi Galvã tá por aí, mas continua intocável (vê q é só mulher gata, encorpada e de fissil absorção...) di modus que, num dia importante desses, aniversário do mundo!, me sobraram você, Sininho, e Quietinha... Mas vê bem*: tô reclamando não. Tou só apreensivo.
    E quase sem palavras. Vc tbm entendeu: é que querias TODAS por perto!

    *"vê bem" é quase veja bem e todo veja bem é subterfúgio. Em 2009 uma resolução que tenho q tomar é ter muito cuidado com esse troço de lamentar. Lamentar é lamentável. Beijos!!!

    ResponderExcluir
  8. caralho, Sérgio, mas que história da porra! Fiquei com inveja da sua iniciação à vida. Ó, acompanho seu blog faz um tempo, mas hoje, devido ao blog do meu amigo e conterrâneo (Mococa, interior de SP)Ricardo Lucon, músico assim como eu, e apaixonado pela boa música, como nós, acabei lendo algumas crônicas suas. Demais!!!!!!!!!!!!!!!! Tanto, que agora tou como um dos 11 acompanhantes de seu blog. Parabéns, meu caro, pela verve e pelo estilo literário!
    Estando por estas bandas de Mococa, e se num tiver lugar pra ficar, fica na minha casa, na boa!
    Meu site: www.paginadeideias.com.br
    meu e-mail: scarparomaciel@terra.com.br
    Fique à vontade pra me escrever!
    grande abraço,
    Massa

    ResponderExcluir
  9. Ah... esqueci de mencionar o blog do Ricardo Lucon, onde aparece o seu, num lugar de destaque: Câmara de Eco... gande blog e os comentários dele são tão memoráveis quanto os seus!
    estamos rodeados por fantásticas gentes, que num querem nem guerra nem tampouco esta crise que se teima em dizer que não há, mas que tá fazendo já suas vítimas, pertinho de nós, como por exemplo, amigos que estão perdendo empregos de 20 anos!
    Mais uma vez, deixo aqui o meu abraço e o meu carinho!

    ResponderExcluir
  10. Valeu Maciel! Eu conheço o Lucon, só não o sabia Ricardo. Volte sempre.

    ResponderExcluir
  11. Valeu, Luiz. Já ouvi falar em Mococa, mas acho que é só dos laticínios que, É CLARO, a fábrica é aí, né? Bacana saber q tenho pouso em sua cidade. Quanto as croniquetas, a gente vive, certo? E é muito bom ter histórias pra contar.
    Um abraço!

    ResponderExcluir

Uma obra de arte é um ângulo apreciado
através de um temperamento.
(Emile Zola)