sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

PROKOFIEV, PEDRO, O LOBO E OUTRAS FERAS AFINS...



ATENÇÃO: LINK RESTAURADO EM 09/06/2008

Este me caiu às mãos, bem próximo à data de seu lançamento: 1976/77. O álbum é um achado! Um feito que muito especialista Wakeman, Emerson... até um certo Lord inglês todo hard, tentou, a semelhança, realizar, mas não com aquele distanciamento necessário. Afinal, roquenrou é roquenrou, bicho, querer transformá-lo em peça erudita bachiana, mezzo a mezzo allegro ma non troppo, sei não... É tipo Retrato de Dorian Gray. Quanto mais peca-se na soberba, mais o tempo corrói, encarquilha. De repente, puf! Virô pó. Pior ainda eletrificar, sintetizar, mimetizar obras sinfônicas para um progressivo dito erudito sério, é de uma pretensão tamanha que só podia dar no que deu: estigma! E daí que outros grandes nomes de um movimento musical bacana, quando não se excedia na fórmula, Genesis, Focus, Gentle Giant, Jethro Tull..., salvo uma ou outra voz de exceção, puseram todos na mesma vala comum, embalados naquele saco de amianto preto pra onde vão presuntos indigentes comuns. E o resto é estória, chororô de fã inconformado. Ninguém foi tão fã de rock progressivo quanto justo este Sônico. Pictures at an Exhibition; Journey to the Centre of the Earth; Tales from Topographic Oceans... e Part 1 e Part II… O que viesse eu traçava amarradão. Mas esse tempo passou. Há muito que não dá mais pra mim. Prefiro a pré-primária adolescência radical aí de baixo… (e/ou do da capa aí de cima, que dá na mesma)

Pra rememorar, breve sinopse:

O avô de Pedro vivia recomendando que o muleque não saísse sozinho, pois a qualquer momento lobos ferozes poderiam surgir da floresta... Naquela época, havia tantos lobos e lobas nas florestas próximos à casa do avô de Pedro, quanto fêmeas e machos mais famintos a rondar o chalé da vovó de Chapeuzinho - principalmente quando pela estrada à fora lá ia a Chapeuzinho, toda só e de bob. Corta pro Pedro: Um dia um lobo faminto se aproximou do muro (muro? Alguém subiu no muro?), ameaçando abocanhar os amigos de Pedro: o gato, o pato e o passarinho. Adivinha quem dança? O pato, óbvio – Desculpe! Não era para ter revelado momento tão crucial da trama! Então Pedro teve de usar de toda a sua astúcia para salvaguardar seus amigos e dar uma lição em regra no lobo glutão.

A fábula baseia-se no enredo da suíte musical Pedro e o Lobo, composta por Sergei Prokofiev em 1936, com o objetivo pedagógico de mostrar às crianças as sonoridades dos diversos instrumentos. Pássaro, flauta; pato, oboé; gato, clarinete; avô, fagote e assim por diante. Já no caso do álbum postado, Pedro-roquenrou versus o Lobo-darkmetal, os instrumentos tradicionais são substituídos por guitarra, baixo, bateria e os tais sintetizadores, minimoogs super em voga - o gato sortudo foi o único poupado da eletrocussão. Quem o interpretou, ao violino, foi um tiozinho jazzy aí de nome Stéphane Grappelli... Garoto ainda, devia ter uns 63 anos quando virou o gato da fábula. Morreu em 1997, aos 89 e, dizem, foi um parto tirar-lhe arco e violino das mãos.

Bem, os protagonistas da rock-orchestra estão descritos na capa do álbum, cada qual em seu cada um personagem instrumental. Pedro; pássaro; pato; avô; caçadores; lago... Tudo em cima - clique na capa que a imagem amplia e te dá noção. Boa parte, da banda de apoio, os coadjuvantes, são um psualzinho mais ou menos, que tocava numa fanfarra fusion de nome Brand X: Percy Jones arranha um baixo; John Goodsall, a guitarra; Phil Collins a batera... e dá-lhe Manfred Man, Brian Eno, Alvin Lee, Gary Moore, Bill Bruford... só canastrão na interpretação dos personagens. Aliás, baixa isso não que nem vale à pena. Só tava aqui (i)lustrando um blog d’eu pra mim mesmo.

Baixe aqui leque o som.

Por falar em leque, de muleque, indicadíssimo para ver como reagem. "Reage, muleque! Run, leque, Run!!!"

Mais info-séria sobre o mesmo here.

20 comentários:

  1. Taí um disco que eu ouvi muitíssimo, mas para um cara que não é chegado no fusion como vc, tô estranhando ver esse disco aqui. Tudo bem que tá recheado de feras, mas esse é fusion até não poder mais. Mas é bão!!

    ResponderExcluir
  2. Pô, Woody, até parece que não leu o texto que fala justo sobre isso, fazendo uma analogia com o progressivo clássico, creio, mais a praia desse álbum. Mas se for pra inaugurarmos outra discussão do tipo "é não é", prefiro engolir a ironia tão fina que desce bem melhor que caninha da roça, apesar de não dar onda...

    Só sei o seguinte, ainda hoje, aos 4.8 recém completos em outubro: discaço, discaço, discaço!

    ResponderExcluir
  3. Sergião, eu li o texto sim Senhor e já que vc tocou no assunto... Eu não queria comentar isso, mas sou forçado a dizer. Vc não está de todo errado na analogia, mas também não está certo. Existe uma boa aproximação do disco com o progressivo. Uma não, duas: A primeira é o fato de fazer do clássico uma trabalho em rock, e isso é uma característica do progressivo. A segunda é que alguns dos músicos são ou estiveram envolvidos com o rock progressivo como Manfred Mann, Brian Eno, Phil Collins e até mesmo o citado Jack Lancaster (mentor do projeto). Mas a sonoridade final é fusion (jazz-rock) cara! Ok, mas rock do que jazz, mas é fusion. Vc pode duvidar, mas não sou o único a dizer isso, a turma do AMG também pensa assim, embora algumas vezes eles dão bola fora (raramente é verdade), dessa vez estão certíssimos, pois apontam o estilo como Pop/Rock, Fusion, Avant-Garde, Rock & Roll. De fato o disco tem bastante de tudo isso, mas quase nada de progressivo. Uma outra edição do álbum foi lançada com o nome de "The Rock, Peter and the Wolf by Jack Lancaster". Sendo a única diferença a capa, que é bem feia e nada lembra essa que aí está, cujo LP trás um encarte maravilhoso e todo ilustrado com a história de Pedro e o Lobo.
    Bom, em resumo, o que importa mesmo é que é um belo disco, altemente recomendado para todas as idades. Belíssimo post, como vc mesmo disse discaço, discaço, discaço!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Pois é Woody. Acontece que, por isso pode-se perder o sono. Nem eu nem vc perdemos mais, mas, como te vejo em suas resenhas, tu tens uma boa verve jornalística. Escreve como tal, quiçá tenha se formado nisso. Entendo que queiras sempre por os pingos nos is. Vc está certo, esse disco é muito mais fusion que prog. Mas tbm como escreveu, tem lá um monte de ícones do prog. Como então simplificar essa guerra de rótulos? É o que tento dizer e fazer nos meus 'textículos' mínimos e sempre pouco sérios. O fusion, nós dois sabemos, foi uma expressão cunhada as custas de Miles e o jazz tendendo pro rock que o cara ousou inventar. E aqui no Pedro e o Lobo, temos, como vc mesmo disse, mais rock e blues do que jazz na fusão com o clássico. E o que dizer do álbum citado lá no texto da postagem? Pictures at exebiction é fusion, então. Fusion de rock com clássico, é ou não? Aí dá-se uma barafunda danada. Pq, na origem, os ícones do prog foram designados como rock progressivo porque fundiam a música erudita - que evoluía, conjugava várias atmosferas sonoras, ritmos, climas na mesma peça. E o prog foi nessa praia. Mas todos os progs fundiam alguma coisa das raízes clássicas, jazz inclusive. Ou da música medieval, provençal, como J.Tull e G.Giant com folk, jazz, blues e rock; ELP e Yes com a música clássica - o prog mais chato de todos – enfim... Justo pra simplificar essa guerra, o melhor é pô-los todos na classificação original de rock progressivo. Mas concordo em GNG com vc, Pedro e Lobo é puro fusion - de clássico com rock e blues - porém deixa de ser puríssimo se considerarmos que a nata, o que deu origem a expressão é a fusão do jazz com o rock e só. Essa linha tênue, conjugada com a criatividade dos artistas que misturam tudo, gera o que gera, texto pra carái, rótulo pra carái, que no fim das contas explica mas não simplifica.

    ResponderExcluir
  5. Ops... perdoe a nossa falha, o título do álbum dos ELP é 'Pictures at an Exhibition'. Tomara que seja isso, porque........... vá ter letrinhas traiçoeiras assim lá em Londres!

    ResponderExcluir
  6. Pois é isso mesmo que vc falou, o rock progressivo é uma fusão do rock com o clássico, só que alguém resolveu que o nome era rock progressivo, ou mesmo rock sinfônico, como preferem alguns. Também é verdade que o jazz entra nessa bagunça, quando vc lembrou do ELP, recordo que o Keith Emerson tb tem formação jazzística e usou e abusou disso no ELP.
    Quando misturaram o jazz com o rock rotularam de fusion, mas poderia ser jazz progressivo, ou mesmo rock jazzístico. No fim é tudo uma questão de rótulos!
    O que me recordou Tom Zé:
    "Eu tô te explicando, para te confundir. Estou te confundindo, que para te esclarecer"!!

    ResponderExcluir
  7. Discaço de prog/pop/fusion/classic/art/jazz-ROCK!
    Resumi bem?
    Tive esse em vinil com todos os encartes a que se tinha direito e fui roubado enquanto carrapetava no Sorvete Dançante, baile domingueiro do Fluminense/RJ, pois utilizava como abertura dos trabalhos o tema de 'Journey To The Centre Of The Earth'(Rick Wakeman)e a 'melô do pato' como encerramento da esbórnia. Nunca mais consegui outro.
    Já baixei esse aqui mas lamento a falta da capa completa pois nem no Megasearch encontrei. Não sei porque mas estou com a impressão de que as faixas 20 e 21 estão invertidas. É claro que posso -e devo- estar enganado. Afinal, não escuto isso há uns bons 30 anos.
    Abrações.

    ResponderExcluir
  8. Taí uma informação importante. Não senti estranhamento na passagem das músicas, mas vou até testá-las invertidas, pq se mimnha memória no geral é podre, a auditiva mantém-se como quando tinha 10 anos e escutava música naquelas eletrolinhas portáteis, plásticas, mono, nas quais a tampa do aparelho tinha o auto-falante embutido.

    ResponderExcluir
  9. Sérjão, não exatamente descobri o que aconteceu mas, com certeza, tem trocas de nomes das músicas. Por exemplo, 'Duck Escape' está nomeada como 'Rock And Roll Celebration', essa como 'Hunters' e 'Peter Is a Hero' -o verdadeiro encerramento do álbum- está nomeada como 'Duck Escape'. O cara de quem vc baixou fez uma zona federal. A verdade é que todas as 21 músicas estão por aqui mas bem bagunçadas. Se eu ainda tivesse meu lp, dava uma ajeitada mas...
    Abrações.

    ResponderExcluir
  10. Disso me tinha esquecido. É verdade, mas a ordem músical está certa. E, pelo mesmo motivo, não modifiquei, não encontrei os títulos na ordem certa. Vou até verificar se consigo isso. Mas, o mais importante está correto: a ordem das músicas no álbum.

    ResponderExcluir
  11. Brodi, esse disco tbm tive, o LP, claro. E o que mais lamento é não ter preservado o encarte. O LP, de tanto que ouvi e emprestei já estava perdido. Então, não está essa confusão toda não. Acabo de conferir - confira no link na mesma postagem. Acontece que o cara de quem baixei, editou algumas partes no final do álbum, pelas informações no link está tudo correto. Há duas 'duck escapadas', uma antes e outra depois de rock and roll celebration. E há também um coro, no final com a Julie Tippet q não está no tracklist do meu álbum mas está lá no disco, tudo corretinho.
    Continuo curioso é com sua opinião sobre o Hadden Sayers. Disco mais à sua feição.

    ResponderExcluir
  12. Aliás, minto: foi editada "duck scape" com o "final theme" que são os duas últimas faixas.

    Veja:

    (...) "Hunters" - Cozy Powell (bass drum), John Hiseman (snare drums), Bill Bruford (snare drums), Phil Collins (cymbals), Jack Lancaster (lyricon, flutes), Henry Lowther (trumpet)

    "Rock And Roll Celebration" - Bernie Frost (vocals), Gary Moore (guitar), Robin Lumley (piano), Jack Lancaster (lyricon, saxes), Andy Pyle (bass), Phil Collins (drums)

    "Duck Escape" - Gary Moore (guitar)

    "Final Theme" - Julie Tippetts (vocals: solo), Bob Sergeant (choir), Erika Michilenko (choir), Bernie Frost (choir), Jack Lancaster (lyricon, saxes, clarinets), Robin Lumley (piano), Gary Moore (guitars), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums), Alvin Lee (solo guitar)

    ResponderExcluir
  13. Sérjão, nananinanão, parceiro.
    Bote pra rodar a faixa nomeada como 'Duck Escape' e ouvirás somente 'Peter Is A Hero', a faixa final do álbum. Ouça a faixa nomeada como 'R&R celebration' e ouvirás 'Duck Escape'. Mais uma vez: coloque 'The Hunters' e entrará 'R&R Celebration'. E por aí vai. Se o problema fosse só esse bastava renomear as faixas de acordo mas acontece que existe uma faixa de nome estranho à relação oficial e fora de ordem, 'Duck And Peter', e aí a casa cai pois não me lembro do nome correto dessa música. Confira a sua relação com essa aqui, oficial:
    1. Introduction
    2. Peter's Theme
    3. Bird and Peter
    4. Duck Theme
    5. Pond
    6. Duck and Bird
    7. Cat Dance
    8. Cat and Duck
    9. Grandfather
    10. Cat
    11. Wolf
    12. Wolf and Duck
    13. Threnody for a Duck
    14. Wolf Stalks
    15. Cat in Tree
    16. Peter's Chase
    17. Capture of Wolf
    18. Hunters
    19. Rock and Roll Celebration
    20. Duck Escape
    21. Peter Is a Hero
    Abrações.

    ResponderExcluir
  14. Eita fierro 3!: Em decorrência de sua "denúncia", ontem conferi, faixa por faixa, as que estão no meu arquivo mp3, comparando as que estão no link aqui disponibilizado na mesma postagem. Link este que dá acesso a todas as informações corretíssimas e mostra até as fotos dos encartes originais do LP com as ilustrações maravilhosas do álbum de 76... O resultado foi o já citado no comentário acima do seu. E, o mais importante: o álbum gira na ordem do original, sem troca de ordem ou falta de faixa. Este é um disco onde, qualquer erro dessa ordem fica claro de identificar até pra quem não o conhecia.

    Está tudo lá no link. E se alguém quiser fazer capa, é só usar a seqüência correta do link fornecido. E foi uma pedrada achar essas informações. Taí um álbum que não encontrei nada a respeito facinho, não vi nada no allmusic, nem a capa no Amazon, como acontece geralmente. O que há, e aparece sempre que se pesquisa buscando mais informações sobre esse álbum, são sobre um Pedro e o Lobo versão David Bowie, se não me engano. Então foi trabalhosa a parada.
    Um Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Esta relação foi extraída do link informativo disponibilizado por você. Está idêntica à minha no comentário anterior. Não estou vendo como faixa 4 a tal da 'Duck and Peter' pois a faixa 4 sempre foi 'Duck Theme'. Com certeza a 'Duck And Peter', além de estar com o nome trocado, deve pertencer a outra posição do track list. É só isso.
    Side 1:
    Introduction - Gary Moore (acc. guitar), Robin Lumley (elec. piano), Jack Lancaster (lyricon), Julie Tippetts (vocal), Erika Michailenko (chimes)
    Peter's Theme - Manfred Mann (synthesizer), Pete Haywood (steel guitar), Percy Jones (bass), Cozy Powell (drums), Robin Lumley (string synthi), Jack Lancaster (saxes)
    Bird And Peter (0:38) - Gary Brooker (synthesizer), John Goodsall (guitar), Pete Haywood (steel guitar), Robin Lumley (strings), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums)
    Duck Theme - Gary Moore (guitars), Robin Lumley (piano), Andy Pyle (bass)
    Pond - Keith Tippett (piano), Phil Collins (vibes), Erika Michailenko(chimes)
    Duck And Bird - Gary Moore (guitar), Gary Brooker (synthesizer)
    Cat Dance - Stephane Grappelli (violin), Alvin Lee (guitar), Dave Marquee (bass)
    Cat And Duck - Henry Lowther (violin), Gary Moore (guitars), John Goodsall (guitars), Percy Jones (bass), Robin Lumley (clarinet), Phil Collins (drums)
    Grandfather - Jack Lancaster (lyricon, saxes), Robin Lumley (piano), Gary Moore (slide guitar), John Goodsall (guitar), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums)
    Cat - Stephane Grappelli (violin), Dave Marquee (bass)
    Wolf - Brian Eno (synthesizer), Robin Lumley (synthesizer, piano)
    Wolf And Duck - Chris Spedding (guitar), Brian Eno (synthesizer), Robin Lumley (piano), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums)
    Side 2:
    Threnody For A Duck - English Chorale (choir), Geoff Leach (arranger)
    Wolf Stalks - Brian Eno (synthesizer), Robin Lumley (synthesizer, piano), John Goodsall (guitar), Jack Lancaster (guitar), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums)
    Cat In Tree - Stephane Grappelli (violin)
    Peter's Chase (John Goodsall (guitar), Gary Moore (guitar), Robin Lumley (synthesizer), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums)
    Capture Of Wolf - Brian Eno (synthesizer), Robin Lumley (synthesizer, piano), Jack Lancaster (lyricon), Phil Collins (percussion)
    Hunters - Cozy Powell (bass drum), John Hiseman (snare drums), Bill Bruford (snare drums), Phil Collins (cymbals), Jack Lancaster (lyricon, flutes), Henry Lowther (trumpet)
    Rock And Roll Celebration - Bernie Frost (vocals), Gary Moore (guitar), Robin Lumley (piano), Jack Lancaster (lyricon, saxes), Andy Pyle (bass), Phil Collins (drums)
    Duck Escape - Gary Moore (guitar)
    Final Theme - Julie Tippetts (vocals: solo), Bob Sergeant (choir), Erika Michilenko (choir), Bernie Frost (choir), Jack Lancaster (lyricon, saxes, clarinets), Robin Lumley (piano), Gary Moore (guitars), Percy Jones (bass), Phil Collins (drums), Alvin Lee (solo guitar).

    Abrações.

    ResponderExcluir
  16. Brodi... e vc ainda me chama de pentelho ou meio pentelho... Eu merço? Acho que nem. Vamos lá: o álbum está com um erro sim, e é como dissestes "o cara de quem baixei, embaralhou" ou editou duas músicas numa, aliás, sei lá que merda ele fez, mas sou muito grato ao cara, pq, não fosse o cara, esse álbum, COMPLETO! E NA ORDEM! não estaria aqui. Não há como errar/trocar de posição ou omitir uma faixa sem se aperceber do erro, pq as músicas se complementam, fundem-se uma na outra na sequencia e com narração!, conferi tudo já. Ouvi mais uma vez, o que aliás não é sacrifício algum... E o tempo do álbum, 38:10 (está escrito no link fonte minha e agora sua) é o mesmo do tempo do Pedro e o Lobo aqui postado. Então se hovesse troca na disposição das músicas eu perceberia e vc tbm se ouvisse o disco em vez de ficar ensimesmado com esse preciosismo. No link já tem, não só a disposição correta, como quem toca o que em cada faixa. Portanto se alguém quiser capinha - eu mesmo modifiquei a minha, graças a sua atenção, é verdade - é só utilizar as informações do link ou as suas que já foram postas aqui antes no seu comentário. Agora vê se escuta a porra do disco e esquece a minha falha, carái!

    ResponderExcluir
  17. Olá Sergio, quero baixar este disco, mas o Z SHARE dá erro (file not found). E agora?
    Abraço,
    Stanley

    P.S. Quero aquele passo a passo.

    ResponderExcluir
  18. Stanley, o ZShare não está dando erro. Simplesmente espirou. Então, a minha vontade, de acordo com o meu tempo, é refazer, no mínimo e como acontece no seu caso, os links que me pedem para restaurar. O problema é só o tempo disponível e a memória.

    A questão tempo, nesse exato momento, não dá pra resolver - portanto o que te peço é para ter paciência e continuar lembrando, pq, na falta de tempo dá-se um jeito. já a memória a gente precisa do auxílio de vcs.

    Por ex.: agora são 10:30 de 2ª feira, 09/06 e tenho q sair, se até amanhã eu não tiver restaurado este link, dê-me outra catucada na memória. Assim, te garanto que logo teu problema será resolvido.

    Mas continue baixando (há muita coisa boa por aqui em links ativos), mas, principalmente: comentando.
    Valeu! Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. Stanley, clique no ZShare depois no download do ZShare... e se no meio da contagem regressiva aparecer uma maldita propaganda, clique imediatamente na seta verde que retorna à página anterior, se acontecer de novo insista na seta verde, isso inibe a inconveniente propaganda, na 2ª, no máximo, 3ª insistida a propaganda dá um tempo pra completar a operação. Daí é só clicar, na outra página que abrirá, em "click Here" e esperar alguns minutos pro álbum baixar. Esse tempo varia de acordo com a sua conexão. Jamais desligue ou saia da internet nessa fase da operação. Parece chato, mas depois q se pega a manhã e o objeto do desejo, o q é chato vira vício.

    Estou para achar um programa de upload menos pentelho, mas já mudei umas 3 vzs e é só o programa se mostrar confiável (conhecido), pra aparecer algum inconveniente. Enfim... Divirta-se com esse discaço que é o Peter and Wolf.

    ResponderExcluir
  20. Valeu Sergio.
    Já é meu.
    "Brigadão".

    ResponderExcluir

Uma obra de arte é um ângulo apreciado
através de um temperamento.
(Emile Zola)