domingo, 7 de dezembro de 2008

ENNIO REPOSTADO (LE CASSE)





Bem, não só prometo como agarantio que as séries recordar é viver vão abrandar. Em breve, teremos mais amostras da rara (no mercado) e ótima produção musical que se faz na atualidade. Ela existe. Jorra aos borbotões na minha (com o alto-falante na tampa de plástico) eletrolinha Phillips Nana Nenem portátil. Mas há recuerdos que são mais fortes que o Eu primordial. Sendo assim, se assenta que lá vem história!

Era uma madrugada morna de um ano longínquo lá nos finalmente dos 1970 - só para localizar o leitor um cadin no tempo que isso faz. Estava eu deitado no sofá da sala, na casa de uma das saudosas ex, quando a tevê anunciou mais um campeão de audiência na Seção Coruja. Fez-se fade na tela e surgiram os créditos: “OS LADRÕES” (LE CASSE, no original)... Estrelando (lembra da voz do locutor? "Versão brasileira A&C, São Paulo"... Poizé): Jean-Paul Belmondo... Omar Shariff... “Opa! Acorda que é filme bom, tchutchuca...” – alertei a gata. É claro que tchutchuca é figuraça de linguagem. Em nome do Pai, eu juro que nunca me referi à companheira, nesses termos. Anfã. A música tema do filme era convidativa. Um legítimo Morricone avintajado sessentista amaciava nossos ouvidos... Nossos? "Acorda, amô!" Ela não acordou mas deveria. O tema era de excelência... Daquelas músicas perfeitas que pegam a gente de jeito, daquelas que nem o fim de um enlace amoroso ou os desenlaces de futuros outros, consegue apagar. Ah, o filme! Um noir passado em Ancara, Turquia. Shariff era o charmoso-esperto-chefe-de-polícia-corrupto – disponibilizando em causa própria, todo efetivo da tropa de elite da cidade -, a fim de tomar para si só o produto do roubo dos ladrões (do título) da quadrilha liderada por J-P Belmondo, o ladrão-antigalã-boa-praça (com mania de acender cigarros pelo filtro, cuja namorada sempre os virava para o lado certo na hora H)... Há, no filme uma perseguição (pega, em São Paulo "racha"), nas estreitas ruas de Ancara - citação ao Bullitt, anterior, de Steve McQueen. Só que ao invés de bólidos americanos avantajados (não tão avintajados), duas bagaças automotivas cujo o maior mistério é entender como correm tanto! E eles, numa seqüência brilhante de uns 10/15 minutos, sobem e descem escadas, serpenteiam por calçadas abarrotadas de pedestres se esquivando em pleno rush, atropelam feiras livres... É de tirar o fôlego e secar as papilas gustativas.
Ih, agora esqueci da trilha do Ennio, ó! que filmaço!... E ó, que música: sobe o som. A canção tema é a tal da melodia perfeita, no sentido mais que perfeito que o termo encerra. Que me seguiu, há até pouco tempo, pela vida inteira. Tema que me vinha e voltava ao sabor dos bons ventos e momentos. E me fez não descansar enquanto não encontrasse o álbum original. Um LP, para variar, raríssimo que achei num sebo imundo, a preço de um copo de Mate Leão sem limão (tô dramatizando, claro). Agora, nos 2000, devidamente formatado MP3 (o LP) e prontinho para contaminar-lhes ouvidos e mentes... Não quero carregar este karma sozinho, dá licença? A capa? Disponibilizei o que encontrei na Rede. Foi o que deu pra arrumar. Resolvi, há alguns anos que a profissão de colecionador me levaria a falência, até porque não me sobrara mais muito espaço para tal. O álbum raro ficou em alguma mudança. Quem sabe entre um enlace e outro (desenlace).
Ennio Morricone - Le Casse

14 comentários:

  1. "Há, no filme uma perseguição (pega), nas estreitas ruas de Ancara - citação ao Bullitt, anterior, de Steve McQueen. Só que ao invés de bólidos americanos avantajados (não tão avintajados), um singelo Mini Cooper (Belmondo) contra um (olha só) Lada Cupê vagabundaço (Shariff). E eles, numa seqüência brilhante de uns 10/15 minutos, sobem e descem escadas, serpenteiam por calçadas abarrotadas de pedestres se esquivando em pleno rush, atropelam feiras livres... É de tirar o fôlego e secar as papilas gustativas. "


    eu lembro dessa cena! de tirar o fôlego sim... mas a memória da trilha já se foi, vou baixar pra ouvir de novo =)
    beijos, caríssimo garimpeiro

    ResponderExcluir
  2. Q bom vc a 1ª visita.

    Agora, menina!, como esqueceu a música desse filme!? Imperdoável. Estás me devendo o comentário das justificativas. C vai ver só se não sentirá uma urgente necessidade de se justificar, antes mesmo de ler isso aqui.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. garimpeiro dos bons.

    esse post parece inté que saiu cá dessas bandas ("capital das pedras preciosas")...rsrs

    mas foste garimpar em terreno muuuuuito melhor. rsrs

    bao demais!

    ResponderExcluir
  4. Ó a Mariana vindo buscar minhas pérolas do Rio!...

    Volte sempre moça.

    ResponderExcluir
  5. hahahahaha... meu querido, que justificativa eu teria além da amnésia pós-traumática derivada de uma adolescência desenfreada?
    Depois que baixei e ouvi, lembrei sim... mas não ao ler o comentário da cena... e o filme é "mosca branca", raro de passar, como você sabe.
    Se eu lembrar o que almocei, já tô no lucro... rsrsrs
    De resto, a minha memória é mais visual do que auditiva, caro pentelho! rsrsrsrs
    beijos sônicos =)

    ResponderExcluir

  6. sergio,vc sabe que não sou muito de escrever longamente... ahahahah

    mas esse filme é muito bom mesmo e eu lembro da trilha!

    vou baixar! hehe

    ResponderExcluir

  7. ah, adorei o texto, viu!!

    ResponderExcluir
  8. Maya, é verdade: na urgência, pentelho mesmo! Agora que ouviu, viu que urgência não uma mal aplicada.

    Caramba! Provavelmente, Pavitra, estávamos todos conectados na mesma estação naquela sessão Coruja. Pq o filme é mesmo o que Maya falou, mosca branca - e de olhos azuis!

    Valeu o elogio ao texto. Falar em olhos: são os seus.

    ResponderExcluir
  9. ixi, ñ sei do filme nem da trilha, antes fosse por ñ lembrar... Oui, je suis bizarre! mó sem cultura essa Jo!

    rs

    mas fica como dica, e dica reforçada pelas moças aí!

    beijocas

    ResponderExcluir
  10. Conseguiu ler, ms. Magoo? rs.

    O filme é uma raridade, Jo. Como dica só presta pra instigar (pra trilha). Dificilmente vc vai encontrar esse filme dando mole. A menos que passe de novo numa Globo da vida (é ruim, hein!) ou, quem sabe, num Telecine Cult.

    ResponderExcluir
  11. Ó, posso até ser Ms Magoo, mas ñ sou a única!rs


    blá!

    ResponderExcluir
  12. Sérgio, oi. :D
    Então, não tenho outro, só o do MSN mesmo. Mas ele serve para trocar e-mails também. ;)

    Foi uma delícia ler esse post. Vai ver é porque eu adoro nostalgia, filmes, trilhas legais, e... anos 70! Eu não era nem projeto naquela época, mas meu pai, sabe como é, sempre me influenciando...

    Beijão! ;*

    ResponderExcluir
  13. EI! Que intimidade toda é essa com a Bruna Bo? Vai me trocar mesmo né?

    To sabendo... ¬¬

    ResponderExcluir
  14. QUÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!

    Bijunguinha. Essas bochechas serão devidamente apertadas até o roxo total, c vai vê, só?

    ResponderExcluir

Uma obra de arte é um ângulo apreciado
através de um temperamento.
(Emile Zola)